terça-feira, 17 de setembro de 2013

RELATO DE PARTO - NASCIMENTO MIKAEL

É muito comum as mulheres que passam pela experiência do parto humanizado fazer um relato de parto. Aqui está o meu, que tem como objetivo me auxiliar a recordar este momento tão especial, mas principalmente servir de inspiração para outras mulheres, pois os relatos me ajudaram a desenhar, idealizar, planejar e protagonizar o meu parto humanizado. Compartilhem com quem quiser!

****************************************************************************************************


Acho que esse relato não começa no dia 3 de julho de 2013, começa muito antes, ainda quando eu decidi fazer um curso de massagem para poder ter contato com pessoas e fazer algo por elas, não demorou para eu me interessar mais no cuidado de outro Ser e fui fazer curso de Reiki, que me trouxe também o caminho espiritual. Com o Reiki percebi que o que eu queria fazer da vida era mesmo cuidar de pessoas, como uma profissão, então me formei como terapeuta corporal holística na Humaniversidade, neste momento passei a ter uma visão diferente do Ser Humano e entender que ele carrega no corpo não somente dores, mas muitos desequilíbrios emocionais, psicológicos e espirituais, tudo isso por conta de traumas, medos, preocupações, etc.

Passei a ver o ser humano como um ser sagrado. Durante a aula de massagem indiana, aprendi que a mulher era o portal da vida, um ser totalmente sagrado e achei uma bela forma de pensar e de se viver.

Nesta jornada com terapias atendi algumas gestantes e era algo indescritível cuidar de uma grávida, era pleno e especial, mas chegava o dia que eu não mais as atendia, pois chegava o nenê.
Em algum e-mail recebi a informação sobre curso de Doula, que nunca tinha ouvido falar e pesquisei mais e aprendi que era uma acompanhante no dia do parto (pré e pós também) e achei aquilo lindo e vi a possibilidade de poder continuar com as gestantes, mas nunca conseguia fazer o curso, mas o importante eu já sabia: O que era uma Doula.

Uma linda teia começou a ser tecida. Nos encontros de Reiki com meus amigos de caminhada na Luz, muitos deles sentiam a necessidade de cuidar do meu ventre, eu me espantei a primeira vez, achei até que já poderia estar grávida, porém este cuidado durou acho que por volta de um ano, sim, um ano pelo menos sendo preparada para receber o grande presente da minha vida.

E a teia foi se formando, as coisas foram acontecendo e tudo foi se interligando. Em uma conversa informal com uma amiga, a Déia, perguntei para ela se sabia quem vendia coletores menstruais e ela me indicou a Renata, troquei e-mails com ela, adicionei no facebook e vi que ela era Doula, olha que legal! Sempre via as postagens dela sobre parto humanizado e achei muito, muito maravilhoso. E como terapeuta, eu sabia que muitos dos nossos traumas eram decorrentes da gestação, parto e recepção
pós-parto e compreendi que o parto humanizado era uma "pré-cura" para os nossos traumas, quantos problemas teríamos poupado com um nascimento adequado.

Ter certeza mesmo que se um dia eu tivesse um filho o parto seria humanizado, foi quando assisti o vídeo do parto da Sabrina. O Vinicius, meu marido, assistiu primeiro e comentou comigo e eu assisti. Como nós os conhecíamos (a Sabrina e o Fernando), eu achei aquilo extremamente emocionante e achei incrível que esse tipo de parto não era só para famosos. Aquilo me tocou profundamente.

Sabendo de tudo isso, o que faltava mesmo era o neném chegar, o qual ainda não pensávamos muito.

Passamos o ano de 2012 planejando nossa viagem aos Estados Unidos, conhecer o Yosemite, Disney, Las Vegas, visitar amigos em Ohio, viagem grande marcada para dezembro.
Nessa de planejar a viagem eu até pensei em não ter filhos, iria conversar com o meu marido sobre isso, pois achei que queria uma vida bem livre. Esse pensamento foi por volta de umas duas semanas da grande notícia, acho que Deus ouviu meus pensamentos e decidiu agilizar a chegada do Mikael, antes que fosse tarde demais, mas no fundo acho que era isso que eu queria, porque eu sabia dos "riscos" que estava correndo quando decidi dar uma escapadinha na prevenção.

Foi uma surpresa grande a gravidez, ainda mais às vésperas de uma viagem, a ficha demorou para cair e curtir mesmo todo o momento foi quando fiquei sabendo que era um menino.

Desde o momento que soube que estava grávida eu sabia que queria o parto humanizado. Como eu não ia há anos em um ginecologista, fui poupada de cair nas mãos de alguém que pudesse me enganar, pois pedi indicação de obstetra humanizada para a Renata, depois da consulta decidi que seria parto humanizado hospitalar, pois era mais seguro. E eu amei o pré-natal humanizado, sem toques, com muita conversa e respeito.

Vital foi participar dos grupos de de apoio junto com o Vinicius, o vínculo e o Samaúma. Lá me sentia em casa, aprendia e ia compreendendo que tudo ia muito além de apenas um parto humanizado, mas sim um resgate do meu Ser, a minha porção bicho e mamífera.

Ao longo dos meses depois de ler inúmeros relatos, me emocionar com diversos vídeos, a vontade de um parto domiciliar foi crescendo, crescendo e crescendo, mas eu tinha medo, medo de quê? O medo eu descobri durante uma vivência no AnimaSoma, foi de arrepiar, pois percebi que o medo era do que as pessoas falariam caso algo desse errado e o tanto que eu poderia me culpar com isso. Conhecendo esse medo eu superei e entrei em estado de entrega, pois eu sabia que se algo pudesse acontecer, seria no hospital ou em casa, eu estava cheia de informação baseada em evidências e sabia que o parto domiciliar era mais seguro. E não combinava eu ir para um hospital...
eu não gosto de hospital, morro de medo da infecção hospitalar, do ambiente de doença e morte, aliás, nunca deveriam ter cogitado unir o nascimento a um ambiente hospitalar, deveria existir somente casa de parto ou só maternidade.

Mas o ponto chave para saber que eu queria o parto domiciliar mesmo foi quando assistimos o vídeo do nascimento do Théo. Foi um momento muito espiritualizado, me emocionei e entendi que eu queria não somente um parto humanizado, mas também espiritual e eu não conseguiria isso em um hospital, acho que foi por volta do quinto ou sexto mês que optamos pelo parto em casa, corre então escolher a equipe. Como o parto do Théo que me motivou, eu fui em busca das mesmas pessoas que fizeram parte, mas até chegar nelas conheci outras profissionais e o mais doido do parto humanizado é que dá vontade de chamar todo mundo para o dia do parto, porque são profissionais encantadoras.

Tudo certo, decidido, era só esperar e ir se planejando, comprar as coisas necessárias para o dia do parto. Eu muito devagar fui comprando aos poucos. Estava bem tranquila, curtindo a barriga, o momento. Me lembro que fizemos a sessão de fotos de gestante no sábado dia 29 de junho e quase que eu fico sem as fotos, pois dali 5 dias Mikael chegaria.

Na noite do dia 1 de julho saiu um negocinho diferente e cogitei que era o tampão, mas como o aspecto era diferente do que eu vi em fotos na internet, pensei que pudesse ser algum machucado por conta do uso do Epi-No, que no dia anterior eu tinha aumentado as infladas, entrei em um processo de negação ferrado, não queria acreditar por nada que estava chegando a hora, afinal, nem 37 semanas o Mikael tinha completado ainda.

Na terça-feira de manhã coliquinhas e eu pensei, ah, deve ser pródromo... e o tampão saindo freneticamente. Mas em todo caso, passei o dia tranquilinha em casa sem fazer nada, só descansando, mas a única coisa que quis fazer foram as compressas para o pós parto, fui dormir bem tarde por conta disso.
Liguei para a Renata que orientou a ficar observando, eu sabia que o tampão poderia começar a sair muitos dias antes do parto, então eu jurava que ia demorar ainda no mínimo uma semana.

O meu marido achou melhor trabalhar de casa no dia seguinte e se preparou para tal, ele sabia, ele tinha certeza, eu que não.

De madrugada comecei a sentir um pouco mais de dores, mais ritmadas, ah, mas deve ser pródromo (olha a negação). 4 horas da manhã o bicho começou a pegar um pouco mais e avisei o Vi, mas no processo de negação eu continuei deitada e sentindo as contrações até que umas 6 da manhã (eu acho, e agora tudo o que é relacionado a hora é baseado em achismo) liguei pra Renata que me orientou a ir pro banho (e eu já tinha tomado um banho) e observar e qualquer coisa ligar de volta.


Aí começamos a contare estava com ritmo, mas eu ainda achava que era pródromo. Liguei para a Ana Cris, que me informou que por conta da idade gestacional não poderia fazer em casa e me disse para ligar pra Mariana, neste momento eu tinha duas opções, ou eu ficava chateada e triste pelo meu sonho de ter um parto em casa não se realizar ou aceitar que era o melhor para mim e o Mikael, claro escolhi a segunda opção, tive que arrumar forças para pensar só no lado bom. Acho que liguei para a Mariana, depois pra Renata já pedindo para ela vir pra casa.

E então comecei a curtir as contrações e esperar a Renata e Mariana chegarem em casa. O computador estava na mesinha da cozinha e então entre uma contração e outra me lembrei que precisava ouvir as músicas que eu havia preparado para o parto, coloquei o Mantra de Sarasvati e ele me acompanhou neste momento. Esse mantra ouvi muito nas aulas de Yoga com a Paula e foi extremamente especial ter contrações com esse mantra, ali na cozinha, apoiada na cadeira vermelha, sentindo o poder da Mãe Divina me amparando.

A Renata chegou, UFA, que alívio, e ela parecia uma visita, serena e calma, a primeira visita na minha vida que eu recebi peladona, foi muito legal e descontraído, ela tomou café, agradou os gatos, como seria bom continuar tudo aquilo em casa.

Chegou então a Mariana e me aliviei ainda mais, achei que ela fosse confirmar que eu estava tendo pródromos, hahaha... Ela me pediu para deitar, pois durante uma contração gostaria de ver minha dilatação, ok, vamos deitar, aaaffff, contração deitada é UÓ! Ela fez o toque e me perguntou quanto eu achava que tinha dilatado e conversei na minha cabeça: "Deve ser uns dois, ah, magina, não deve ser é nada, não tô em trabalho de parto, nem tá doendo tanto assim" e eu falei, NADA, ela só olhou para mim e disse (eu acho): "8 Egle". Neste momento a ocitocina invadiu todo meu corpo, porque eu gargalhei em gratidão, não acreditava que tinha dilatado 8 cm tão
tranquilamente. Sim, doeu, mas eu não tive essa percepção. Então era isso, Mikael estava chegando mesmo.

OK, 8 centímetros, é hora de ir para o hospital. Dou uma dica, jamais façam a mala do hospital em trabalho de parto, hahaha. Hoje eu me lembro e foi engraçado. Para mim deixar a mala de hospital pronta era como me preparar para o um parto hospitalar e não um domiciliar, então nem tinha pensado nisso, negava. Aliás, foi terrível para mim deixar a minha casa, eu sabia que eu voltaria outra e não imaginaria como seria.

Coloquei o primeiro vestido mais fácil que vi e fomos para o hospital e eu rezando para ter poucas ou nenhuma contração no carro (ahn hã né), mas de fato as contrações no carro foram bem mais leves do que em casa, deu certo a reza, mas isso não significa que não foi desagradável. Me lembro que em um certo momento eu perguntei pra Renata quando eu ia entrar na partolândia e ela disse que já deveria estar entrando... No carro a vontade de rir veio, eu ri, ocitocina? Partolândia? Tudo isso junto.

Chegamos no hospital, péssimo ter que passar pela recepção cheio de gente e você lá com contração querendo dar umas gemidas. Vinicius tinha que cuidar da parte burocrática e eu desesperada porque ia pro quarto sem ele e eu jurava que o Mikael já ia nascer, devia ser próximo do meio dia, sei lá.

Fui pro quarto, primeira coisa foi arrancar o vestido e sei lá a ordem de tudo o que aconteceu. Mas eu queria a piscina, como eu queria a piscina que eu tinha deixado para comprar no sábado seguinte, hehe. A bola não me serviu, não gostei, para mim o melhor foi mesmo ter contrações apoiada na cama e no chuveiro.


Consegui ancorar a sacralidade deste momento, comecei a me sentir plena, feliz e amparada pela hoste celestial, as músicas tocando, aquele dourado do Sol iluminando o quarto, o ventinho feito pela Renata, que eu achava que estava vindo da janela. Entre uma contração e outra eu conseguia ouvir as músicas que eu havia escolhido, me lembrava do que elas representavam para mim, principalmente as que os meus amigos e irmãos na luz me enviaram, as que tocaram no meu casamento, a música do grupo
LAMAT, nossa, que especial que foi. Dancei, ri, flutuei. É incrível que a dor vem e logo em seguida vem o prazer, vem a serenidade, a paz. Doeu, doeu sim, mas só sei que doeu porque eu sei, mas não porque eu me lembre da dor.

PLOCT, a bolsa estourou e me orientaram a sentir o cheiro, aliás, cheiro de parto e nascimento é tudo de bom!

Me lembro das palavras de coragem da Mariana quando foi percebido que eu estava com MEDO (sim, rolou MEDO). Já era hora do expulsivo, mas eu travava, por conta desse medo.


Mariana me perguntou do que eu estava com medo e disse que era de morrer, depois disse que era da dor, mas depois que o Mikael nasceu eu refleti bem e no fundo, o medo era de que ele não seria mais só meu e estava chegando o momento de dividi-lo com o mundo, e tinha também o medo de toda a mudança, de que a Egle estava morrendo, para nascer uma nova Egle, totalmente diferente e que eu não conhecia, eu daria conta de ser mãe?

Lembro-me da Otília, que receberia meu nenê com todo carinho. Ela trouxe o olho azul dela, que encarou os meus olhos temerosos e me trouxe paz.

Estava lá eu naquela luta com meus medos e a vontade do Mikael nascer quando a minha amiga Val chegou, aquele momento foi único, pois embora eu estivesse me sentindo em um momento especial e sagrado, eu precisava ancorar mais as energias superiores e a Val chegou trazendo isso tudo, a presença dos Mestres e do Reiki. Ela me perguntou o que eu queria que ela fizesse e eu só respondi: REIKI.


E toda a equipe estava lá, completa: Mariana, Renata, Otília, meu marido Vinicius e a Val. A minha tribo, que me ajudaria naquele momento tão sublime e obscuro ao mesmo tempo.

Percebi que eu estava "enrolando" (negando, com medo) no expulsivo e que eu precisava ir até o fim, continuar com a força, para que o Mikael pudesse vir. Os gritos vinham, não eram de dor, eram de força, sabia que precisava do chakra da garganta para ajudar no chakra básico. E eu mudava de posição, cócoras, de pé, na cama sendo ajudada pela Renata que me dava um tecido para eu puxar.

Jamais vou me esquecer de um dos momentos mais especiais, entre uma contração e outra, na cama tive um momento que senti um pulsar extremamente prazeroso, vontade de rir, e eu pulsei, o chakra básico pulsava, era aquilo o tal do parto orgásmico? Me lembro que neste momento pediram para eu descer da cama para ficar de cócoras e eu disse que esperasse um pouco, pois queria curtir aquela sensação.

Eu sabia que o Mikael estava ficando cansado e eu PRECISAVA do grande puxo, pelo bem dele, então busquei as minhas forças, levei a cor vermelha para o chakra básico e a luz branca entrando pelo coronário (assim como aprendi na meditação na aula de Yoga), me levantei e com o grito primal eu acocorei e senti então a cabecinha do meu anjo guerreiro passando pelo círculo de fogo.


O Vinicius veio na minha frente, do meu lado estavam Renata e Val.

Em outro puxo bem mais leve saiu o corpinho do meu pequeno e que foi recebido carinhosamente pelo pai, que logo me entregou, para que pudéssemos então nos conhecer às 16:05.


Não sei descrever o que rolou neste momento, acho que eu o segurei ainda sem olhar, apenas agradecendo, não me lembro dele chorando, me lembro sim quando eu o olhei, quando coloquei minha mão em sua cabecinha quente e cheia de vérnix, ah! O vérnix, eu preciso sentir o cheiro disso, sublime!!! O melhor cheiro do mundo. O olhar, o imprinting, o amor. Me senti uma leoa com a cria, o tempo parou, o mundo não existia, só existia eu e o Mikael.


Ficamos ali, nos curtindo e chegou o momento de me levantar para ir para a cama, com ajuda da equipe me levantei com ele nos meus braços ficamos ali, toquei o cordão e o senti pulsar, foi tão gostoso sentir o nosso elo que ainda pulsava o sangue ali restante para o corpinho do Mikael.

Ele ali no meu colo gostosinho, eu ainda cheia de ocitocina senti uma coisinha e foi a hora de parir a placenta. Ela saiu rapidinho, sem dor, coisinha mais linda, a Mariana me mostrou e eu achei pequenininha.

Então um momento que foi difícil para mim, cortar o cordão, eu sabia que aquele momento representaria o corte definitivo dos laços corporais entre eu e Mikael. Eu expliquei para o Mikael o que estava acontecendo e disse que por mais que o cordão estivesse sendo cortado, o cordão de Luz que nos unia permaneceria para sempre, chorei um pouco, me contive para não me debulhar em lágrimas. Então Vinicius cortou o cordão, que já não pulsava mais.

Mikael carinhosamente foi acolhido pela Otília para os procedimentos necessários: pesar e colocar roupinha... sem banho, sem colírio, sem aspiração, apenas amor.


Enquanto isso a Mariana me dava uns pontinhos na laceraçãozinha e isso foi mais desagradável do que parir. Mas eu ainda estava em outro mundo, dificuldade para falar, tremedeira, sons distorcidos, uma coisa muito maluca.

Era hora de ir para o quarto, Mikael foi colocado no meio das minhas pernas e me lembro do calorzinho dele, que corpo quentinho, gostoso.

Não tive o parto domiciliar, acho que tive que passar por isso no hospital, talvez se eu estivesse em casa os medos seriam ainda maiores, eu ficaria encanada com tudo, em controlar o andamento de tudo, ver se a equipe estava se alimentando, se ninguém deixaria os meus gatos fugirem. Talvez eu não tivesse conseguido me entregar.

Ali no hospital, ainda de noite, o silêncio do quarto foi quebrado por gemidos vindo do corredor, gemidos prazerosos e alguém gritando, corre que vai nascer, traz lençol e logo em seguida um forte grito e um chorinho. Eu ali vibrava por aquela mulher que pariu em estilo vapt-vupt, chorei junto com ela, sem nos vermos, sem eu saber quem ela era, sem ela saber que eu estava ali, me senti conectada e isso me remeteu a todo o momento que há poucas horas eu havia vivido.


Emano minha gratidão a Deus, que me permitiu entrar em contato com pessoas e conhecimentos tão maravilhosos. Emano minha gratidão aos meus pais e sogros, sem eles eu nada seria. Emano minha gratidão ao meu marido que mergulhou fundo comigo sem duvidar em nenhum momento do meu poder de parir, que me acompanhou nos encontros e que acariciou a minha barriga. Emano minha gratidão à equipe, Val, Mariana, Otília e Renata, bem como Kelly Stein que foi chamada de última hora e chegou chegando, registrando com suas lentes este momento tão especial. Agradeço aos grupos Vínculo e Samaúma. Agradeço a toda mulher que compartilhou
seu relato de parto, vídeo de parto, fotos e me ajudaram a buscar a inspiração e a vontade de ser a protagonista do meu parto. Agradeço a toda galera do Anima que me ajudou a ter um corpo mais vibrante e pulsante com tanto amor e carinho.
Agradeço a Arcanjo Miguel, o grande protetor de toda minha vida e a Bem amada Mãe Maria que com sua presença me ajudou a confiar no meu sagrado poder feminino.
Agradeço ao Reiki, a terapia que me acompanha e me fortalece sempre. Agradeço aos amigos e todas as orações e envios de energia. Agradeço minha família que nunca contestou meu parto humanizado.

Agradeço ao meu filhinho Mikael, que foi um guerreiro e aguentou firme o trabalho de parto e chegou cheio de vida, amor, LUZ!

E que com este relato, outras mulheres possam reconhecer o seu potencial de parir ser a protagonista deste momento tão especial e único.

Namaste _/\_

--
Egle Prema Shunyatta Prem (que teve seu parto humanizado, ativo, natural e orgásmico!)

34 comentários:

  1. Ah... que lindo depoimento, Egle! Que momento mágico e lindo! Que linda que você é! Obrigada por compartilhar! Parabéns! Muita saúde e muito amor para vocês três!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Elaininha, saudades de vc! Venha conhecer o Mikael.

      Excluir
  2. MInha linda e doce Egle...tomara que muitas futuras mamães possam participar desse jorro de Luz em forma de palavras e percebam que elas também podem ter uma experiência similar...são as mamães da nova era..as mamães da Luz!!!! Foi com o coração cheiinho de emoção, alegria e orgulho que li e vivenciei cada momento do relato do nascimento do Mikael e do seu nascimento como uma nova Egle... Obrigada amiga....que os Mestres estejam sempre cuidando e orientando você, o Vinícius e este ser iluminado que é o Mikael!!!!! Mil beijinhos...Sandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Namaste querida amiga Sandra. Um beijo cheio de saudades.

      Excluir
  3. Que lindo!! Eu nem tenho palavras, mas tenho lágrimas de emoção! Parabéns minha irmã! Amo meu sobrinho! Amo vc!

    ResponderExcluir
  4. Lindo, especial!!! Emocionante e inspirador!!! Gratidão pelo relato e pela emoção que senti lendo isto, mesmo não sendo mãe! Bjss

    ResponderExcluir
  5. Chorei junto, senti toda emoção junto, parecia que eu estava alí ao seu lado, em certos momentos do relato.
    MARAVILHOSO, SUBLIME E DIVINO.
    Tb vindo de vc, dessa pessoa maravilhosa que é, não poderia ter sido diferente.
    Parabéns e que as bençãos continuem caindo sobre essa família linda e especial.
    Beijos no anjo Mikael.
    Vc foi é e sempre será muito especial na minha vida!! VC É ESPECIAL!!!!
    Que saudades de vc, que saudades!!!!
    Muitos beijos no coração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que linda! Obrigada por tão belas palavras, tenho um carinho e amor por vc querida! Beijos no coração

      Excluir
  6. Parabéns Egle! Você me deixou emocionada e ainda com mais vontade de parir... nem sei quando isso vai acontecer, mas já sei como quero que aconteça!
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, vc não se identificou, mas espero que o seu desejo se realize! Beijos

      Excluir
  7. Finalmente consegui ler. Em calma, sem pressa. Como merece! Lindo Egle, parabens!

    ResponderExcluir
  8. Bom demais fazer parte desse cenário todo!!! e eu lá, olhava p/ otília e sinalizava, tipo "essa mulher precisa 'desbirocar' p/ conseguir parir" - você precisava mesmo era enlouquecer de vez p/ se entregar. E assim foi!! e foi lindo! :)
    Obrigada por me permitir estar presente nesse momento tão especial.
    Gratidão eterna.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que delícia saber disso, se tiver mais coisa para me contar me conte, adoro ver o ponto de vista de quem me acompanhou :) Beijos no seu coração.

      Excluir
  9. Egle amada e linda amiga...

    Que relato maravilhoso, podemos até entrar na vivencia e sentir uma imensa emoção!!
    Emoção de já ter conhecido esse lindo, com essa carinha mais fofa!!
    Parabéns pela decisão, parabéns por ter escolhido ser a mãe do MIKAEL e estar aqui, agora, cem por cento!!!

    Beijinhos carinhosos para vocês..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Namaste querida! Fico feliz de poder proporcionar essa vivência com vcs que entram junto comigo neste dia... que ainda está tão vivo dentro de mim! Beijos de Luz.

      Excluir
  10. Seu relato está muito bonito! Fico muito feliz em ter acompanhado parte desta sua alegria! Um beijo especial a você e a sua família.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Namaste minha querida amiga e mestra! Você foi vital nesta etapa da minha vida... e ainda é, pois aprendo muito com vc sobre como cuidar do bebê :) Beijos no coração.

      Excluir
  11. Amiga parabéns!!!! Amei seu relato!!! Felicidades para a família!!!! Saudades Carú

    ResponderExcluir
  12. Egle, estou emocionada demais com seu relato!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  13. Oi!
    Vi o vídeo do teu parto, muito lindo!!! Podes fornecer a trilha sonora utilizada no vídeo??? Adoraria receber no andreialegrete@gmail.com

    ResponderExcluir
  14. E hoje voce esta fazendo curso de Doula.....é magico a sua transformação de vida e eu acompanhei....desde o inicio.....minha amiga...Val

    ResponderExcluir
  15. Que linda experiência Egle! Nossos corpos são realmente sagrados! Gratidão por compartilhar esse momento tão especial da sua família! Namastê!

    ResponderExcluir
  16. EGLEN DARIM EU ME CHAMO EDIVAN , EU SOU QUEM VC DEVE SE LEMBRAR MUITO BEMDE MIM, POIS JÁ QUE EU SOU O PROVAVEL PAI DO SEU FILHO MIKAEL, NESSE VIDEO ACIMA EU SEI QUE VC ESTAVA GRAVIDA DEMIM ENTÃO EGLEN VC ENGRAVIDOU ,TEM GENTE QUE DIZEM Q O PAI DO TEU FILHO É ESSE BABACA QUE TAH NO VIDEO ACIMA POREM OUTROS DIZEM QUE FUI EU QUE ENGRAVIDEI VC, POR ISSO EXIJO O EXAME DE DNA PRA SABER SE ESSE FILHO É MEU MESMO, MAS ACREIDTO QUE ESSE FILHO FOI EU QUE FIZ EM TU POIS JÁ QUE ELETEM MINHA CARA ENTÃO ESSE FILHO É NOSSO VIU EGLEN O QUE VC ACHA DISSO EM EGLEN/????

    ResponderExcluir
  17. Que parto lindo!
    Ti achei no youtube e não pode ficar sem deixar o meu agradecimento!

    Pra mim que não tenho filhos (ainda..hauhaua)
    Foi mto bom ver esse momento de uma forma simples e mágica...obg por dividir :)

    Sucesso...bjs

    ResponderExcluir